Conheça a feminista que defendia o aborto como meio de exterminar a população negra

half_page_bubble_margaretsanger

“Como defensores do controle da natalidade, os eugenistas, por exemplo, estão tentando ajudar na corrida para a eliminação dos inaptos.” [1] Estas são as palavras de uma mulher que é reverenciada como uma grande ativista em prol das mulheres de todo o mundo: Margaret Sanger (1879-1966), “a mãe” do grupo Planned Parenthood. Esta dita organização sem fins lucrativos foi fundada em 1916, quando Sanger abriu a primeira clínica de aborto nos Estados Unidos, no bairro do Brooklyn, em Nova Iorque, cuja população era quase na totalidade negra. Brooklyn, passado quase um século, ainda tem a maioria negra.

Profissionalmente, Sanger era uma enfermeira que testemunhou perante o Senado dos Estados Unidos em 1916 para incentivar a formação do “Population Congress”, que procurava empregar a eugenia negativa para proporcionar uma ‘verdadeira humanidade’, cuja ideia básica era eliminar todos os impróprios e inaptos. Suas propostas draconianas de segregação forçada, para os cidadãos americanos, eram comumente defendidos pelos “progressistas” que procuravam alcançar uma raça superior e mais inteligente.

Em sua autobiografia, explica como também possuía estritas ligações com o grupo racista Ku Klux Klan, e como foi ascender socialmente: “Eu aceitei um convite para conversar com o ramo das mulheres do Ku Klux Klan… Eu vi pela porta figuras sombrias desfilando com bandeiras iluminadas… Eu fui escoltada para a plataforma, e começaram a falar… No final, através de ilustrações simples eu acreditava que tinha conseguido o meu propósito. Uma dúzia de convites para falar com grupos semelhantes foram proferidas” [2]. Em 1926 ela fez sua primeira palestra para o grupo em Silver Lake, Nova Jersey.

Portal-Conservador-393

Em seu livro “Um plano para a paz” (1932), Sanger propôs a criação de um departamento no Congresso americano visando “manter as portas da imigração fechadas à entrada de certos estrangeiros cuja condição seja reconhecidamente prejudicial à força da raça, tais como retardados mentais e disléxicos, idiotas, lentos, loucos, portadores de sífilis, epiléticos, criminosos, prostitutas profissionais e outros nesta classe barrados pela lei de imigração de 1924.”[3] No plano externo, Sanger protegeria o povo norte-americano. No plano interno, engendrava a campanha de esterilização da população negra, que não era “verdadeiramente norte-americana”. O plano foi denominado The Negro Project, iniciado em 1939.

Algumas das frases notáveis da “maior feminista do século XX”:

1. “os negros e os europeus do sul são mentalmente inferior aos nativos americanos” [4]

2. “pessoas de cor são como ervas daninhas e devem ser exterminadas” [5]

3. “secretamente investir em áreas não-brancas, instalando clínicas de abortos em guetos de negros. Solicitar ajuda em dinheiro para criar clínicas de aborto, preferencialmente em áreas não-brancas” [6]

4.  “o controle de natalidade em si – muitas vezes denunciada como uma violação da lei natural – é nada mais nada menos do que a facilitação do processo de eliminar o inapto, de impedir o nascimento de defeituosos ou de quem vai se tornar defeituoso.” [7]

5. “A acusação mais grave que pode ser movida contra a “benevolência” moderna é que é encoraja a perpetuação de defeituosos, delinquentes e dependentes. Estes são os elementos mais perigosos na comunidade mundial, a maldição mais devastadora sobre o progresso humano e de expressão.” [8]

6. “Caridade organizada em si é o sintoma de uma doença social maligna… Em vez de diminuir e com o objetivo de eliminar os estoques [de pessoas] que são mais prejudiciais para o futuro da raça e do mundo, tende a torná-las um dominante grau ameaçador” [9]

Nos Estados Unidos, mais de 60 mil pessoas foram esterilizadas contra sua vontade. E a maioria ocorreu durante os anos 30 e 40, quando Sanger e os movimentos de controle de natalidade e de controle de população foram empurrando estados rígidos, promulgando e aplicando leis de esterilização. Entre as vítimas estavam cegos, surdos, epilépticos, deficientes mentais e pessoas com QIs baixos diagnosticados como “débil mental”, e é claro, tendo como objetivo, a população negra e pobre do sul do país.

Coincidentemente ou não, a mesma eugenia negativa seria largamente empregada pela Alemanha Nazista desde o primeiro ano da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Os nazistas também praticavam a eugenia com todos aqueles que possuíam deficiências físicas e mentais, através do extermínio e da esterilização. O Partido Nazista criou um programa destinado para o triste fim, o Lebensborn, sob liderança de Heinrich Himmler, “visando proteger a raça ariana e contribuir para o progresso da humanidade”, uma política de higienização racial.

O grupo Planned Parenthood começou a receber financiamento federal em 1970, no governo Richard Nixon. Um dos seus doadores mais notáveis são as fundações Ford, Turner, Cullman, inclusive a Fundação Bill e Melinda Gates, e também mais de 700 mil membros ativos, movimentando no ano de 2011 mais de 200 milhões de dólares. Atualmente, a “organização sem fins lucrativos” opera como uma grande empresa de planejamento familiar, cujo predominante serviço é…realizar abortos.

Quase 80% de suas clínicas estão em comunidades minoritárias. A comunidade negra é apenas 12% da população norte-americana, mas quase 40% dos abortos são praticados em mulheres negras. A minoria negra americana está em declínio, devido a estas bem sucedidas campanhas de controle populacional. Apesar de tudo, Sanger figura na lista dos “100 líderes revolucionários do século XX” da revista Time.

Pelo fim imediato do extermínio da população negra e pelo fim imediato do aborto nos Estados Unidos.

 

***

Referências

[1] “Birth Control and Racial Betterment”, Birth Control Review, February 1919, pg 11, Margaret Sanger

[2] Sanger: An Autobiography, p. 366

[3] Sanger, “A Plan For Peace”, Birth Control Review, April 1932, p. 106

[4] E. Drogin, Margaret Sanger: Father of Modern Society, CUL Publishers, 1980, Section 1, p. 18

[5] Tanya L Green. The NEGRO PROJECT: Margaret Sanger’s EUGENIC Plan for Black America.

[6] Encyclopedia of White Power: A Sourcebook of Radical Racism

[7] The NEGRO PROJECT

[8] The NEGRO PROJECT

[9] Sanger, Pivot of Civilization, Chapter V, “Cruelty of Charity”

 

LER TAMBÉM: Jane Roe, a pioneira do aborto, está arrependida

Comentários

4 Comentários

  1. Jorge Carreiro disse:

    Uma vergonha! No Brasil, Dilma, a mitômana desavergonhada, se torna cúmplice…
    http://www.zenit.org/pt/articles/aborto-passa-a-ser-financiado-pelo-estado-brasileiro-na-rede-publica-de-saude

  2. Elisangela disse:

    Se não for um conservador, quem nos alertaria sobre isso?

  3. Bell disse:

    Só pecou no final. Os brancos estão em declínio nos EUA, não os negros.

  4. Savio disse:

    A população branca nos EUA esta em declínio pelas altas taxas de imigração de não brancos para lá e não pela natalidade dos negros.

Escreva um comentário





*