Criança psicopata? Conheça a assustadora história de Beth Thomas

Você já assistiu o documentário “A Ira de um Anjo”? É um dos documentários mais chocantes e perturbadores já feitos para a televisão. O filme é baseado na história verídica de Beth Thomas, que sofria de Transtorno de Apego Reativo como resultado de ter sido abusada sexualmente quando criança.

elizabeth-thomas-portal-conservador-01

Beth tinha um constante desejo de matar a família inteira. A criança inclusive chegou guardar facas de cozinha para matar seus pais adotivos. Beth apresentava diversos sintomas de psicopatia: planejava de forma fria e calma a morte de seus familiares sem culpa ou remorso. O que mais assustava era que a menina sabia o significado e o resultado de suas ações.

Tim e Julie Tennant adotaram Beth e seu irmão mais novo Jonathan na década de 80. O casal levou os dois irmãos para casa sem ter conhecimento do abuso que os irmãos sofreram do pai biológico. Beth foi encontrada gritando em seu próprio quarto e Jonathan foi encontrado em seu berço com uma garrafa de leite coalhado.

Beth apresentava um alto grau de violência, hostilidade e um comportamento inadequado com as pessoas ao seu redor. Ela chegou a matar filhotes de pássaros em seus ninhos, tentou sufocar seu irmão mais novo enquanto ele dormia, esfaqueou o cão da família e o perfurou com uma agulha, cortou um colega de classe com um caco de vidro além de se insinuar sexualmente para o seu avô. Tudo isso enquanto era apenas uma criança.

elizabeth-thomas-portal-conservador-02

A família de Thomas lutou bravamente pela reabilitação de Beth, e, eventualmente, a garota mostrou sinais de melhora. Décadas se passaram e muitas pessoas ainda se perguntam como Beth Thomas está e o que está fazendo após a sua terapia.

Transtorno de Apego Reativo

O transtorno de Apego Reativo é um transtorno psicológico caracterizado por grande dificuldade em formar vínculos sociais saudáveis. Pode ser tanto inibição excessivamente inibidas, se esquivando e fugindo dos cuidadores ou familiaridade excessiva com desconhecidos ou não formar vínculos de apego com os responsáveis.

elizabeth-thomas-portal-conservador-03

 

Atualmente

Felizmente, depois de muita terapia, Beth se recuperou de seu passado perturbador. Ela trabalha atualmente com crianças que sofrem distúrbios psicológicos e dá palestras sobre o assunto. Beth vive uma vida normal. Ela se tornou uma enfermeira e trabalha em uma unidade neonatal em um hospital em Flagstaff.

elizabeth-thomas-portal-conservador-04

Publicado originalmente em Ultra Curioso.

Comentários

0 Comentário

Escreva um comentário





*