Explicando a derrota dos tucanos em Minas Gerais

Não há como negar. Aécio Neves não ficou bem na foto. Perder em seu próprio estado selou seu destino rumo à Presidência. Mas há uma explicação totalmente racional para explicar esse “fracasso” em Minas Gerais. Primordial, é antes de tudo, compreender que há duas Minas Gerais: o do Norte, esmagadoramente petista, e o do Sul, cuja capital é Belo Horizonte, nitidamente tucana. Raciocinando devagar, Aécio – como candidato do PSDB – até venceu em Minas.

Aecio-Neves-2014-Portal-Conservador

Explicarei a situação. Para tanto, precisamos acessar os dados oficiais referentes às eleições passadas. Chegamos a 2006. O então presidente Luís Inácio luta por sua reeleição e vence no 2º turno com 46 milhões de votos contra 39,9 milhões do tucano Geraldo Alckmin, então governador de São Paulo. Em Minas, Lula vence Alckmin com mais de 1 milhão de votos: 5,1 contra 4,1 milhões. No mesmo momento, também em Minas, Aécio vencia a reeleição para governador com 7,4 milhões. O voto não foi casado, como poderia-se esperar de um eleitorado tucano, que vota em seus candidatos.

Chegamos a 2010. Luís Inácio entrega Dilma Rousseff como candidata. Vence em 2º turno com 55,7 milhões de votos contra um apático e desnutrido José Serra, que alcançou apenas 43,7 milhões de votos. Em Minas, Dilma venceu com 6,2 milhões contra 4,4 milhões do tucano, como atesta a próxima imagem. Uma verdadeira surra. Minas prova, mais uma vez, que é um estado petista, outrora governado por tucanos.

Eleicoes-2010-Portal-Conservador

Quanto ao Aécio Neves, ele perdeu em Minas Gerais não porque “quem conhece Aécio, não vota Neves”, tão divulgada pelos militantes petistas, mas porque é um eleitorado absurdamente petista, quando se fala em candidatos à presidência. Até porque foram quatro mandatos como deputado federal, dois mandatos como governador e um mandato como senador, que aliás ainda exerce. Nestas eleições, Dilma venceu no estado com 52,41%, ou seja, 5.9 milhões de votos contra 47,59% de votos, 5.4 milhões de votos para o tucano. 550 mil votos de diferença entre os candidatos. De longe, o melhor desempenho do PSDB para presidente em Minas Gerais, como também no Brasil, desde 2002.

Segue o mapa político do 2º turno destas últimas eleições, provando que a medida que as cidades se aproximam do sul, crescem as votações aos tucanos. Tal disparate entre a votação norte-sul de Minas Gerais sempre foi reconhecida pelos próprios mineiros. Alguns nortistas são chamados até de baianos (sic), dada a relação de proximidade com a Bahia, estado em que o PT venceu disparado, 69,79% dos votos. Também a medida em que se desce para o sul, cresce o desenvolvimento e diminui a dependência do Bolsa Família. Mas não entrarei nesse mérito.

Eleicoes-2014-MG-Portal-Conservador

Como provam os números, essas eleições presidenciais estão marcadas como o melhor resultado do PSDB contra o PT desde 2002. Cessado o choro, é claro que para a “direita” brasileira esse foi um resultado muito bom, analisando friamente a situação. A oposição cresceu e cresceu com força, impulsionada pela rejeição ao PT. No Congresso, temos a bancada mais conservadora desde 1964. 10 senadores foram eleitos pelo PSDB. O senador Aécio chega como líder disparado da oposição. É claro que estamos todos profundamente decepcionados por esse revés nas urnas, mas o PT terá muito trabalho nestes próximos anos, cuja rejeição deve crescer muito mais, a depender de nossa pífia situação econômica.

É importante frisar – e encerrando definitivamente a questão – que estados petistas podem eleger seus governadores de partidos que não sejam o vermelho, mas a situação muda drasticamente quando se fala em presidência. De certo modo parecido com Minas, lembro-me de Pernambuco. O finado Eduardo Campos foi reeleito governador com 82,83% dos votos válidos, contra um candidato tradicionalíssimo que era Jarbas Vasconcelos, hoje senador pelo PMDB. E nem por isso figurava como preferido pelos pernambucanos para presidente, que mantém sua obediência cega e quase messiânica ao Luis Inácio. O mesmo procede para Aécio Neves, reeleito governado com uma votação estrondosa e beirando índices de aprovação aos 90%., que perdeu em seu estado por uma diferença razoável.

Comentários

1 Comentário

  1. Beck disse:

    Ótima análise política! Aécio não perdeu tanto em seu Estado quando comparado a outros candidatos em outros períodos e a outros estados. Também, Minas preferencialmente é petista! Ótima análise!

Escreva um comentário




*