O que está em jogo? O ocidente versus o Islã

O atentado de radicais islâmicos à revista francesa anarco-trotskista Charlie Hebdo, na quarta-feira passada, 07 de janeiro, mobilizou, para além da cobertura massiva de grandes redes televisivas como CNN, FOX News e Rede Globo todo um leque de discussões quanto ao futuro do cristianismo no Ocidente. Outro atentado, desta vez realizada pelo Boko Haram, também muçulmano, dizimou mais de 2 mil mortos na cidade de Baga, na Nigéria. O primeiro foi largamento divulgado, o segundo, praticamente silenciado.

O grande conflito para o século XXI é mesmo de matriz cultural e religiosa. É um grande embate entre o Ocidente laico, outrora cristão, e o Islamismo militante, que há décadas discute as mais variadas formas de uma invasão cultural e religiosa da Europa. Como o resultado parece estar saindo melhor do que encomenda, a atual discussão islâmica está no patrocínio de incursões e financiamentos de mesquitas nas Américas.

Isto ficou evidente no último encontro muçulmano de 12 de novembro, em Istambul (Turquia). O evento foi noticiado pela grande mídia? A resposta é não. O tema? “Construindo as nossas tradições e o nosso futuro”. Ao contrário de Roma, que um dia fora a capital da Cristandade, Istambul permanece como a capital do Mundo Árabe. Quarenta líderes islâmicos e o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, discutiram e traçaram metas para uma expansão islâmica para os dez anos seguintes.

A escolha de Istambul é mesmo simbólica para o islamismo. Em 1453, os árabes liderados pelo sultão Maomé II (1432-1481) tomaram em assalto a cidade de Constantinopla (atual Istambul), selando o destino do Império Romano do Oriente e anunciando o seu próprio império, o Otomano, que só veio a ser dissolvido em 1922. A tomada de Constantinopla fora uma grande vitória contra o Ocidente cristão. E querem, a partir da própria Constantinopla, continuar os devidos trabalhos.

Todo este processo de invasão acontece enquanto o Ocidente está a dormir em torno de discursos politicamente corretos, liderados por políticos de ideologias socialistas e marxistas. É uma via de mão dupla: enquanto a mídia condena toda e mera crítica ao Islã como “islamofobia”, evidenciando o “fato de serem todos pacíficos”, do outro lado a política, que outorga o ensino islâmico sob debaixo dos panos e incentiva a imigração. É uma realidade que necessita ser rapidamente compreendida.

O islamismo está em conflito com o resto do mundo desde o século VII d. C, e o islã “moderno” está canalizando suas forças através do ensino, da grande mídia e da publicidade. Mesmos muçulmanos moderados (inofensivos?) apoiam os radicais do Estado Islâmico (ISIS), afinal, estão conquistando pessoas e territórios para Alá. E nenhum islâmico é contrário à instalação da lei divina. Nos Estados Unidos, a maior organização muçulmana, a Council on American-Islamic Relations (CAIR) ficou horrorizada com a proibição da Sharia em 16 estados americanos. [1]

Igreja-Catolica-Armenia-Portal-Conservador

Igreja Católica Armênia em Raqqa, Síria, atualmente escritório do ISIS.

O Estado Islâmico dominou dois terços do território iraquiano. A segunda cidade mais populosa, atrás apenas da capital Bagdá, Mossul, não existe mais. Mossul fora um centro cristão desde o II século d. C. Com muitos altos e baixos, a violência islâmica eclodiu após a invasão dos Estados Unidos em 2003 e a campanha do ISIS significou o golpe final [2]. O arcebispo de Mossul, Dom Amel Nona, foi enfático, em agosto de 2014: “Perdi minha diocese para o Islã – vocês no Ocidente também serão vítimas do Islã”.

E de fato, o mundo islâmico sabe muito bem que está em guerra com o cristianismo. É preciso compreender a posição do Corão sobre os infiéis, que são todos aqueles não-islâmicos. Para o islamismo, é irrelevante se você é cristão, ou ateu, ou budista, se é ou não é adepto das utopias messiânicas socialistas. Continua sendo infiel, pois não compartilha da fé em Alá. E portanto, ou você se converte ao Islã, ou você deve ser morto.

Ao contrário do Ocidente, que não experimenta nenhuma coesão religiosa ou até mesmo professa irreligiosidade, o mundo islâmico é representado por uma instituição internacional: a Organização da Cooperação Islâmica, com 57 países-membros. É simplesmente o maior bloco de países do mundo. Todos estes países defendem, desde o maior ao menor grau à instituição da lei islâmica, a Sharia. Rechaçaram, em diversas ocasiões, a Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU.

É mais do que evidente que a secularização experimentada pelo Ocidente é completamente inofensiva contra uma religião totalitária que é o islamismo. Eles estão vencendo esta batalha, mas ainda podem perder a guerra. É só lembrar que a Cristandade foi atacada constantemente por mais de quatro séculos antes dos Papas aprovarem as Cruzadas[3] [4]. E ainda há gente ignorante, para dizer o mínimo, que as condenam.

Comentários

2 Comentários

  1. luiz claudio disse:

    Ótimo texto, vai servir como referência em sala de aula.

  2. Luiz Darocha disse:

    Texto curto e que diz a verdade crua e nua. Enquanto os que governam o mundo ocidental capitulam, não é por acaso que a França, que se caracteriza por ser um país de capitulações ou servir-se dos outros como escudo (caso da 1ª Guerra e da 2ª guerra, acabou de capitular – Quando digo a França falo na dos que a governam, os herdeiros da hedionda revolução francesa. Vão agora sair com leis para perseguir todas e todos os que denunciem o maometanismo (dito islão). Esta manifestação (na qual a Turquia e o Qatar, etc, estavam representados) marcou o final deste grande país, pois querem que as pessoas sejam “Charlies” e não patriotas (Charlie Hebdo é um jornal anarco-trotskysta). Um nojo o que se passa e o modo como abusam das pessoas.

Escreva um comentário





*