Sem choro, é hora de reagir

1. Não estou decepcionado. Sabia desde o início que seria muito difícil derrotar o governo petista, e isto, por três motivos básicos: a) a militância fanática, que não se abre ao bom senso e não admite as evidências, para a qual seus representantes podem fazer o que quiserem e sempre estarão justificados de antemão; b) a corrupção do povo, pois muito se critica a corrupção política, realmente nefasta, enquanto não se percebe que o povo foi corrompido por estes mensalões populares que compram o voto e denigrem as consciências — é a literal vitória do malufismo, “roubam, mas fazem”; c) o próprio sistema eleitoral não confiável — quem não se questionou pela inédita distância entre o encerramento da votação e a apuração pública? (Os próprios petistas sempre fizeram questão de acompanhar em bloco as apurações, que, agora, colocam sob o manto do mistério de três horas — “acuse-os do que você faz…”).

10409399_849795058365844_348863980693200281_n

2. O PT nunca esteve tão fraco. Metade da população acordou e lutou contra a maré. Esta “vitória” de Dilma foi muito entre aspas… Ela quase perdeu, nós quase ganhamos. A maior parte do congresso é oposição. O PT decresceu no país. Às vezes, queremos que as vitórias políticas venham como milagres. Somos nós que precisamos gerá-las com um movimento social, ainda em gestação. Não podemos apenas fazer militância pelo facebook, whatssap e demais “socials networks”, precisamos realmente unir forças políticas. Todavia, o povo está acordando, e tem muita gente que está inconformada em pensar apenas em “cumê, cumê, cumê”.

3. É hora de oposição, não de derrotismo. Quando agimos politicamente, temos de estar preparados para perder, legítima ou ilegítimamente, e isso de cabeça erguida. O mesmo povo que se manifestou nas últimas semanas, tem ainda mais razões para o continuar fazendo. Ontem, em seu discurso, Dilma prometeu “mudanças ainda maiores”, “fazer a reforma política”, além do que dizia durante a campanha, como “priorizar a educação”, “lutar pela igualdade de gênero”, “proteger a segurança da mulher”, todos eufemismos para a mudança de regime, imposição da ideologia de gênero e ampliação do aborto. Teremos de dar todo apoio ao Congresso para a destituição dos Conselhos Populares, a proteção da constituição, e a defesa da vida e da família.

Portanto, não nos desanimemos. É hora de reagir. Quanto aos irresponsáveis que elegeram este governo totalitário e messiânico, espero de coração que não precisemos todos perecer para que eles comecem a entender.

Escrito por Pe. José Eduardo.

Comentários

0 Comentário

Escreva um comentário




*