Após redução no número de atendimentos, Unimed de Criciúma desativa hospital de campanha

Depois de 60 dias de funcionamento a Unimed de Criciúma, em Santa Catarina, desativou seu hospital de campanha, utilizado para atendimentos da Covid-19. De acordo com o médico Leando Avany Nunes, presidente da Unimed Criciúma, a medida foi tomada por conta da redução do número de pacientes atendidos no local.

“Os pacientes ainda existem. Como diminuiu o volume de atendimentos, não precisamos mais daquele espaço todo. Tivemos esse período de 60 dias com o hospital de campanha aberto. Foram 2,8 mil atendimentos, 84 internações e 1.870 pacientes foram testados para Covid-19. Agora, como nos últimos dias houve essa diminuição, a gente mudou o sistema de atendimento”, explicou Nunes.

Para manter os atendimentos relacionados à Covid-19, um novo pronto-socorro foi montado. “A Unimed mantém dois pronto-atendimentos, um para doenças respiratórias, para isolar os pacientes, e outro para outras doenças. O objetivo é otimizar custos. Foi fechado o pronto-socorro de campanha, mas mantemos um atendimento separado”, reforçou o médico. O novo espaço conta com a mesma equipe técnica do hospital de campanha, sala de emergência, cinco salas de recuperação e observação e dois consultórios médicos.

Segundo Nunes, a redução no número de pessoas que procuram o hospital com suspeita de estar com o novo coronavírus reduziu significativamente. “Enquanto no início da pandemia a gente realizava de 30 a 40 atendimentos por dia, hoje este número é de quatro a cinco pacientes”, contabilizou. Na avaliação do presidente, as medidas de segurança adotas em Criciúma contribuíram para a redução. “Fizemos um isolamento precoce, o distanciamento e o uso de máscara está sendo efetivo e o público vulnerável está se cuidando, como os pacientes mais idosos”, apontou.

Atualmente cinco pacientes com casos confirmados de novo coronavírus estão em tratamento na Unimed de Criciúma. São três em leitos de enfermaria e dois em leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Comentários

0 Comentário

Escreva um comentário




*