Delegacia extinta por Paulo Câmara teria como alvo de operação o próprio governador de Pernambuco

A Delegacia de Crimes contra a Administração e Serviços Públicos – o Decasp – foi extinta pela Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), através de projeto enviado à dita Casa legislativa pelo governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB-PE), que tramitou em regime de urgência (na ocasião, 30 deputados votaram a favor e 6 foram contrários). A delegada Patrícia Domingos, responsável pelas diligências, investigava sete deputados, um vereador e um empresário ligados ao Partido Socialista Brasileiro, e fora removida para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Seriam investigados, além do governador, o prefeito de Recife, Geraldo Júlio (PSB-PE), o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) e o deputado federal Tadeu Alencar (PSB-PE).

Uma liminar proferida pelo juiz Augusto Napoleão Sampaio, da 5ª Vara de Fazenda Pública da Capital, autorizava a continuação das investigações pela referida delegada pelo prazo de 45 dias, mantendo sendo assim, o Decasp. Entretanto, a decisão liminar foi derrubada no dia 21 de novembro pelo Presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), desembargador Adalberto de Oliveira Melo.

O Ministro do Superior Tribunal de Justiça, Mauro Campbell determinou que o inquérito que investigava o governador por supostas fraudes e superfaturamento na construção da Arena de Pernambuco fosse remetido para à Justiça Estadual, entretanto, o juízo responsável – justamente o Decasp – foi extinto pela Alepe no início do mês, como noticiado pelo Portal Conservador. A “Operação Fair Play” da Polícia Federal apontou no ano de 2015 um superfaturamento de R$ 42,8 milhões na construção do estádio pela Odebrecht. O Tribunal de Contas do Estado (TCE) apontou um superfaturamento na casa de R$ 70 milhões.

Estes investigados integravam o Comitê Gestor de PPP (Parcerias Público-Privadas) de Pernambuco na gestão do ex-governador Eduardo Campos, falecido no acidente aéreo ocorrido em agosto de 2014.

Comentários

0 Comentário

Escreva um comentário




*