Há relatos do dilúvio em quase todas as civilizações do globo

Histórias nativas de uma “inundação global” são documentadas como história ou lenda em quase todas as civilizações do planeta. Missionários do velho mundo relataram sua perplexidade em encontrar tribos remotas, já que possuam lendas com enormes semelhanças com os relatos Bíblicos de uma inundação global.

Bellamy HS em luas, mitos e homens estima que completamente haja mais de 500 lendas em todo o mundo sobre uma grande inundação. Civilizações antigas como (China, Babilônia, país de Gales, Rússia, Índia, América, Hawaii, Escandinávia, Sumatra, Peru e Polinésia) todos têm suas próprias versões de uma gigante inundação. Estes contos de inundação freqüentemente estão ligados por elementos comuns em paralelo ao relato Bíblico. Tais como:

O aviso de um dilúvio próximo,

A construção de um barco com antecedência,

O armazenamento dos animais,

A inclusão da família,

A libertação de aves para determinar se o nível de água tinha diminuído.

A esmagadora coerência entre lendas de inundação encontrados em partes distantes do mundo indica foram derivados a partir da mesma origem (Relatos Bíblicos), mas transcrição oral mudou os detalhes através do tempo.

Talvez o segundo mais importante relato histórico de uma inundação global pode ser encontrado em uma história do dilúvio babilônico na Epopéia de Gilgamesh. Quando comparado os relatos bíblico com os contos da Babilônia, umas séries de semelhanças se encontram pendentes que não deixam dúvidas de que essas histórias estão enraizadas no mesmo evento ou da tradição oral.

O DILÚVIO É UM ACONTECIMENTO UNIVERSAL

Os “antropologistas” dizem que há mais de 270 narrativas do dilúvio em povos e culturas diferentes do mundo, e todas elas, coincidentemente, são no início destas civilizações.

Mas não é somente no Oriente Médio onde ficou persistente um dilúvio que assolou a terra. Com a exclusão das culturas africanas, exceto naturalmente a egípcia, que não costumam referirse ao dilúvio, todas as demais têm constância de que em um dado momento de sua história a água supôs um cataclismo que arrasou o planeta e com ele toda a humanidade. Das quatro vezes que segundo o calendário asteca terminou o mundo, uma foi por causa da água. Os índios americanos, os poucos que restam, pensam que o mundo fica velho e vai se gastando paulatinamente, até que as cordas que o sustentam são rompidas e se afunda irremissivelmente .no oceano que o rodeia, de onde voltará a surgir jovem e pujante.

arkinstorm1

Para a civilização ocidental, a história mais conhecida a respeito do dilúvio é a da Arca de Noé, segundo a tradição judaico-cristã.

O Dilúvio também é descrito em fontes americanas, asiáticas, sumérias, assírias, armênias, egípcias,  persas, gregas e outras, de forma basicamente semelhante ao episódio bíblico, porém algumas civilizações se relata sobre inundações em vez de chuvas torrenciais: uma divindade decide limpar a Terra de uma humanidade corrupta, ou imperfeita, e escolhe um homem bom aos seus olhos para construir uma arca para abrigar sua criação enquanto durasse a inundação. Na mitologia judaica, Javé estava disposto a acabar com toda a humanidade, porém Noé foi agraciado por Ele, pois era um varão temente a seu Deus e não se deixou corromper. Após um certo período, a água baixa, a arca fica encalhada numa montanha, os animais repovoam o planeta e os descendentes de tal homem geram todos os povos do mundo.

Dilúvio Judaico : egundo a Bíblia, Noé, seguindo as instruções divinas, constrói uma arca para a preservação da vida na Terra, na qual abriga um casal de cada espécie animal, bem como a ele e sua família, enquanto Deus, exercendo julgamento sobre os ante-diluvianos (povo de ações perversas), inundava toda a Terra com uma chuva que durararia quarenta dias e quarenta noites. Após alguns meses, quando as águas começaram a baixar, Noé enviou uma pomba, que lhe trouxe uma folha de oliveira. A partir daí, os descendentes de Noé teriam repovoado a Terra, dando origem a todos os povos conhecidos.

Na esfera cultural hebraica primitiva, o evento do Dilúvio contribuiu para o estabelecimento de uma identidade étnica entre os diferentes povos semíticos (todos descendentes de Sem, filho de Noé), bem como sua distinção dos outros povos ao seu redor (cananeus, descendentes de Canaã, neto de Noé, núbios ou cuxitas, descendentes de Cuxe, outro neto de Noé, etc.). No Antigo Testamento, Noé amaldiçoa Canaã e abençoa Sem, o que serviria mais tarde como uma das justificativas para a invasão e conquista da terra dos cananeus pelas Tribos de Israel

Após o período diluviano, procura-se até os dias de hoje os restos da Arca, que segundo alguns historiadores realmente encontra-se no Monte Ararat. Mas não existe como precisar a localização, já que a região é bem acidentada, e vasta.

Judaico-cristãos: Esta versão é considerada real por Criacionistas. Ainda na Bíblia, Jesus faz referência ao evento, no Livro de Mateus,

“E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem.” (Mateus 24:37-39)

Igualmente, outros textos judaico-cristãos considerados apócrifos, tais como o Livro de Enoque, dizem que a história do dilúvio não somente foi um castigo aos homens que fizeram o mal, mas principalmente contra um grupo de anjos chamados vigilantes, e seus filhos gigantes, chamados nephillim. Estes seres, segundo estes textos haviam sido os causadores de um grande desequilíbrio entre os homens.Desta forma se uniriam as histórias destes seres nomeados en Gênesis. Esta versão do dilúvio bíblico se veria apoiada por uma passagem no Livro da Sabedoria.

Sudoeste da Tanzânia: Fala de rios que começaram a inundar. Que um deus disse para duas pessoas entrar em uma embarcação. Ele lhes disse para separar sementes e animais. As águas cobriram as montanhas. Finalmente, o dilúvio parou. Então um dos homens, querendo saber se a água secou soltou uma pomba. A pomba retornou. Mais tarde, ele solta um “falcão”, que não retornou. Em seguida, os homens deixaram o barco e levou os animais e as sementes com eles.

China: Uma tradição chinesa conta a respeito da família de Fa-He que foi salva de um grande Dilúvio, enviada pelos céus por causa da rebelião humana. Enquanto o mundo inteiro foi inundado, Fa-He, sua esposa, seus três filhos e três filhas foram salvos numa Arca. Eles então repovoaram a terra. Fa-He é considerado o fundador da civilização chinesa.

Babilônia – Gilgamesh, o héroi do grande épico, encontrou o velho Utnapshtim, que havia se tornado um deus em virtude da sua bondade e obediência aos deuses, salvando a humanidade e os animais de um grande dilúvio. Utnapshtim relatou sua história a Gilgamesh.

Os deuses vieram a Utnapshtim para avisá-lo da chegada de um terrível dilúvio. Eles mandaram que parasse seu trabalho, derrubasse sua casa e começasse a trabalhar imediatamente na construção de um grande barco com cento e vinte cúbitos de comprimento e cento e vinte cúbitos de largura. Ele devia vedar o barco com madeira e piche; devia levar animais de todas as raças, tanto machos quanto fêmeas, assim como sua família, provisões, ouro, prata e outras riquezas.

Depois que o barco ficou pronto, começou a chover torrencialmente. O dilúvio foi tão terrível que até mesmo os deuses ficaram assustados. Ea, o deus das águas que havia causado o dilúvio, viu que a catástrofe havia sido muito pior do que o planejado. Ishtar, a deusa da beleza, que havia falado de maneira maligna na assembléia dos deuses, causando o dilúvio, gemeu ao ver seus filhos “transformados em barro” como resultado dos seus atos.

Durante 6 dias e noites, um vento soprou sobre o dilúvio, e o clima se acalmou. Enquanto as águas baixavam, ficou claro que a terra havia sido devastada, e todas suas criaturas haviam sido aniquiladas, Utnapshtim baixou sua cabeça e chorou. O barco finalmente pousou sobre o topo do Monte Nirsir, ao norte. Sete dias depois, Utnapishtim soltou uma pomba. Como não havia terra onde pousar, ela voltou ao barco. Então ele enviou uma andorinha, mas ela também retornou. Finalmente, ele enviou uma gralha, e ela nunca voltou, Utnapshtim então soube que podia deixar o barco.

E a deusa Ishtar jogou seu colar aos céus como promessa de que nunca mais haveria um dilúvio formando assim o arco-íris. Chaldean

Caldeus: O deus Chronos advertiu Xisuthrus de uma inundação que viria e disse-lhe para construir um barco. O barco estava a cinco estádios por dois estádios. Deveria entrar no barco sua família, amigos e dois de cada animal (macho e fêmea). Veio o dilúvio. Quando as águas começaram a baixar, ele soltou algumas aves. Elas voltaram e ele percebeu que tinha lama em seus pés. Ele tentou novamente e obteve os mesmos resultados. Quando tentou pela terceira vez, as aves não retornaram. Assumindo que a água tinha secado as pessoas saíram do barco e ofereceu sacrifícios aos deuses.

Indía: Há muito tempo, um homem chamando Manu estava se lavando. Quando ele colocou a mão na jarra d’água para lavar as mãos, retirou um pequeno peixe.

O peixe falou com ele: “Se você tomar conta de mim e me proteger até que eu esteja totalmente crescido, irei salvá-lo de coisas terríveis que estão por vir”. Manu perguntou ao peixe: “O que está dizendo? Que coisas terríveis?” O peixe contou a Manu que haveria um grande dilúvio que destruiria todos os seres humanos da terra. Então, o peixe instruiu Manu para que o colocasse numa jarra de barro por segurança, e Manu obedeceu. À medida que o peixe crescia, Manu ia colocando-o em jarras de barro cada vez maiores, até que o peixe ficou totalmente crescido e pôde ser colocado no mar em segurança. Logo o peixe se tornou um ghasha, um dos maiores peixes do mundo.

O peixe mandou Manu construir um grande barco, já que faltavam poucos meses para o dilúvio. Quando as chuvas começaram, Manu amarrou uma corda do seu barco ao ghasha, que guiou-o em segurança enquanto as águas subiam. As águas subiram tanto que toda a terra foi coberta. Quando as águas baixaram, o ghasha guiou Manu ao topo de uma montanha.

Austrália: Existe uma lenda de um dilúvio chamado Dreamtime inundação. Riding sobre este dilúvio foi a woramba, ou o Gumana Ark. Nesta arca foi Noé, aborígenes, e vários animais. Esta arca pousou na planície de Djilinbadu onde ele ainda pode ser encontrado. Eles afirmam que a história do homem branco sobre a arca repousando no Médio Oriente é uma mentira que foi iniciada para manter os aborígenes na subserviência. Esta lenda é, sem dúvida, o produto das lendas aborígenes fusão com os missionários de visitar, e lá não parece ser todas as histórias cheias nativo da Austrália.

Grécia: A mitlogia grega relata a história de um grande dilúvio produzido por Poseidon, que por ordem de Zeus havia decidido pôr fim à existência humana, uma vez que estes haviam aceitado o fogo roubado por Prometeu do Monte Olimpo. Deucalião e sua esposa Pirra foram os únicos sobreviventes. Prometeu disse a seu filho Deucalião que construísse uma arca e nela introduzisse uma casal de cada animal, de forma análoga à Arca de Noé. Assim estes sobreviveram.

Ao terminar o dilúvio, a arca de Deucalião pousou sobre o Monte Parnaso, onde estava o Oráculo de Temis. Deucalião e Pirra entraram no templo, para que o oráculo lhes dissesse o que deviam fazer para voltar a povoar a Terra, e a deusa somente lhes disse:”Voltem aos ossos de suas mães” Deucalião e sua mulher adivinharam que o oráculo se referia às rochas.Destas formas, as pedras tocadas por Deucalião se converteram em homens, e as tocadas por Pirra em ninfas ou deusas menores, por que ainda não se havia criado a mulher.

México: Os nativos de Toltec tinham uma lenda dizendo que a criação original tinha durado 1716 anos, e foi destruída por um Dilúvio, onde somente uma família sobreviveu.

Astecas: Eles contavam que um homem chamado Tapi, que era piedoso, foi avisado pelo criador que ele deveria construir uma arca. Ele foi instruido a levar sua esposa, um par de cada animal que estava vivo para sua Arca. Naturalmente todos pensaram que ele estava louco. Mas, começou a chover e veio o Dilúvio. Os homens e animais tentaram escalar as montanhas, mas as montanhas foram inundadas também. Finalmente a chuva parou. Tapi soltou uma pomba e ela não retornou. No manuscrito asteca denominado como Código borgia, há a história do mundo dividido em idades, das quais a última terminou com um grande dilúvio produzido pela deusa Chalchihuitlicue.

Estados Unidos: Há muitas lendas entre as tribos indígenas. Segundo a tribo Ojibwe que tem vivido no Minnesota desde 1400, houve um tempo em que a harmoniosa maneira de viver cessou. Homens e mulheres começaram a se desrespeitar, famílias e tribos começaram a brigar entre si. Isto entristeceu Gitchie Manido (o Criador), mas ele esperou. Quando parecia não haver mais esperança, o Criador decidiu purificar a Mãe Terra através do uso da água. As águas vieram, inundaram a terra e pegaram todos de surpresa. Somente poucos seres viventes sobreviveram. Waynaboozhoo sobreviveu agarrado à um tronco de madeira (flutuando) juntamente com outros animais.

Índios Delaware: Na época primitiva, o mundo vivia em paz, mas um espírito do mal entrou e causou uma grande inundação. A terra foi submersa. A poucas pessoas se refugiaram nas costas de uma tartaruga, tão velho que sua concha havia recolhido o musgo. Um mergulhão voou sobre suas cabeças e orou foi a mergulhar sob a água e levar até a terra. É encontrado apenas um mar sem fundo. Então, o pássaro voou para longe, voltou com uma pequena porção de terra em sua conta, e orientou a tartaruga para um lugar onde havia uma mancha de terra seca.

Dilúvio Inca: Na mitologia dos incas, Viracocha destruiu os gigantes com uma grande inundação, e duas pessoas repovoaram a Terra (Manco Capac e Mama Ocllo mais dois irmãos que sobreviveram. A religião é um forte elo entre as várias culturas andinas, sejam elas pré-incaicas ou incas. A imposição do Deus Sol é um forte elemento da crença e dominação através do mental, ou seja, daquilo que permanece impregnado por gerações nas concepções e mentalidades destas culturas, adorando o Deus imposto e entendendo ser ele o mais importante. Pedro Sarmiento de Gamboa, cronista espanhol do século XVI, relata como os Incas narravam sua criação e as lendas que eram passadas através da oralidade de geração em geração, desde o surgimento de Viracocha e seus ensinamentos, procurando definir um homem que o venerasse e fosse pregador de seus conhecimentos. Em algumas tentativas de criar este homem, Viracocha acaba punindo-o com um grande dilúvio pela não obediência como comenta Gamboa (2001),:

Mas como entre ellos naciesen vicios de soberbia y codicia, traspasaron el precepto del Viracocha Pachayachachi ,que cayendo por esta trasgresión en la indignación suya, los confundió y maldijo. Y luego fueron unos convertidos en piedras y otros en formas, a otros trago la tierra y otros el mar,y sobre todo les envió un diluvio general, al cual llaman uñu pachacuti , que quiere decir “agua que trastornó la tierra”. Y dicen que llovió sesenta días y sesenta noches, y que se anegó todo lo creado, y que solo quedaron algunas señales de los que se convierteron en piedras para memoria del hecho y para ejemplo a los venideros en los edificios de pucara que es sesenta leguas del Cuzco. (p. 40)

A narração do dilúvio está presente entre muitos povos e culturas por todo o mundo. O início de tudo, ou seja, a criação, é um fator muito importante para estabelecer relações e explicações sobre o que não se conhece e o que não foi vivido. Assim, os mitos e lendas buscam criar uma ancestralidade, um ponto em comum que defina a origem e o começo do cosmos e tudo existente nele, ou seja, o conhecer de si mesmo, do próprio homem inserido na natureza, buscando sua sobrevivência e continuidade de sua existência e a harmonia com os elementos naturais e sobrenaturais.

Groelândia: A terra foi virada e todos os homens morreram afogados, exceto um homem e uma mulher que repopularam a terra.

Egito: Os egípcios tinham uma lenda de que os deuses certa vez purificaram a terra com um grande Dilúvio. Apenas uns poucos pastores escaparam.

Inglaterra: Os druídas tinham uma lenda que o mundo tinha sido repopulado através de um justo patriarca que tinha sido salvo de um Dilúvio numa Arca. O Dilúvio foi enviado para destruir o homem por causa de sua iniquidade.

Polinésia: Eles tinham estórias do dilúvio em que 8 pessoas tinham sido salvas.

Ilhas Fiji: Os habitantes de Fiji contam que no Dilúvio só se salvaram 8 pessoas.

Perú: Os peruanos dizem que um homem e uma mulher se salvaram num caixão que ficou flutuando nas águas da inundação.

Uro: O povo uro (ou uru), que habita próximo ao Lago Titicaca, crê numa lenda que diz que depois do dilúvio universal, foi neste lago onde se viram os primeiros raios do Sol.

Maia: A mitologia do povo maia relata a existência de um dilúvio enviado pelo deus Huracán.

Segundo o Popol Vuh, livro que reúne relatos históricos e mitológicos do grupo étnico maia-quiché, os deuses, após terminarem a criação do mundo, da natureza e dos seres vivos, decidiram criar seres capazes de lhes exaltar e servir. São criados então os primeiros seres humanos, moldados em barro. Porém, esses seres de barro não eram resistentes ao clima e à chuva e logo se desfizeram em lama.

Então, os deuses criaram o segundo tipo de seres humanos, à partir de madeira. Essa segunda humanidade, ao contrário da primeira, prosperou e rapidamente se multiplicou em muitos povos e cidades (tudo indica que é nessa época da segunda humanidade que se passam as aventuras dos gêmeos heróis Hunahpú e Ixbalanqué contra os senhores de Xibalba). Mas esses seres feitos de madeira não agradaram aos deuses. Eles eram secos, não temiam aos deuses e não tinham sangue. Se tornaram arrogantes e não praticavam sacrifícios aos seus criadores. Então, os deuses decidem exterminar essa segunda humanidade através de um dilúvio. Ao contrário da maioria dos outros relatos conhecidos sobre dilúvios, nenhum indivíduo foi poupado.

Após a catástrofe, a matéria prima utilizada para moldar os novos seres humanos foi o milho. Foram criados quatro casais, que são considerados os oito primeiros índios quiché. Eles deram origem às três famílias fundadoras da Guatemala, pois um dos casais não deixou descendência.

Pascuenses: A tradição do povo da Ilha de Páscoa diz que seus ancestrais chegaram à ilha escapando da inundação de um mítico continente, ou ilha, chamado Hiva.

Mapuche: Nas tradições do povo Mapuche igualmente existe uma lenda sobre uma inundação do lugar deste povo (ou do planeta). A lenda se refere à história das serpentes, chamadas Tentem Vilu e Caicai Vilu.

O DESAPARECIMENTO DE ATLANTIDA: Alguns alegam que o Dilúvio foi a causa do desaparecimento de um grande continente que foi engolido pelas águas. No caso nos vem a mente Atlântida, outros referem-se a Lemúria (Império Mu), que é anterior aos atlantes. De qualquer forma parece que todos os povos falam da fatalidade da humanidade com o elemento água.

Escrito por Daniel F. Zordan. Creation Science News.