fbpx


Conheça 10 filmes obrigatórios para conservadores – Parte 1

1. A Paixão de Cristo (2004)

Dirigido por Mel Gibson, o filme retrata a história do Deus que se fez Homem, para redimir a humanidade. Ele conta a trajetória de Jesus Cristo quando começou a pregar o Evangelho em Jerusalém. Interpretado por Jim Caviezel, ator que veio a ser descartado em Hollywood por assumir o papel, o filme foca no sofrimento e no martírio de Jesus. É uma obra-prima, pelo excelente trabalho de fotografia e de conhecimento do aramaico e hebraico, idiomas populares na época de Jesus e que são utilizados no diálogo ao longo do filme, bem como também do uso do latim pelos romanos. Não é um filme para crianças, certamente, dado que este se concentra no sofrimento e na entrega de Jesus à humanidade, com diversos minutos se concentrando em chibatadas com lâminas afiadas.

2. Sniper Americano (2015)

Interpretado por Bradley Cooper e dirigido por Clint Eastwood, o filme conta a história de Chris Kyle, maior atirador da história do Exército norte-americano, que esteve na Guerra do Iraque logo após o atentado de 11 de Setembro de 2001. O filme conta a trajetória de um “caipira” comum do Texas e que ingressa nos SEALs, uma equipe de elite da Marinha americana. “Sniper Americano” demonstra com altas doses de realismo os dilemas morais e espirituais dos soldados que serviram no Iraque, ensinando valores carentes na sociedade moderna, como a virilidade e honra masculina, o patriotismo e uma defesa implícita da Bíblia e da família natural.

3. Doze Anos de Escravidão (2013)

Doze Anos de Escravidão conta a história de Solomon Northup, um negro livre e de elevada cultura na sociedade escravista norte-americana do século XIX. Interpretado por Chiwetel Ejiofor, conhecido como o físico do apocalipse “2012”, Solomon é um violinista bastante respeitado e requisitado nos ambientes da música. Prestes a fazer negócios com proprietários de circos, Solomon é enganado, preso e vendido como se fosse escravo. Mais do que qualquer outro filme que tenha a escravidão como tema, Doze Anos de Escravidão foca na realidade dura e cruel da escravidão: a submissão imposta aos escravos e os mais variados castigos físicos. Diversos são os valores pregados pelo filme: o amor conservador a família, a resiliência mental de um homem de elite convertido em escravo, e o conflito espiritual entre fé e descrença, a honra e força masculina.

4. Cruzadas (2005)

Interpretado por Orlando Bloom no papel de Balian de Ibelin, o filme conta a história de um simples ferreiro que se torna cavaleiro e barão de Ibelin, um território na cidade de Jerusalém, que se passa no século XII. Jerusalém havia sido conquistada pela Primeira Cruzada (1090), incentivada pelo papa Urbano II para proteger o caminho dos peregrinos e libertar a Terra Santa do jugo dos muçulmanos. Apesar de integrar esta lista de filmes a serem assistidos por conservadores, “Cruzadas” é um filme politicamente correto, escrito como se não pretendesse ofender ninguém – exceto aos cristãos, como parece ser, retratando muçulmanos piedosos e tolerantes ao compasso que demonstram cristãos cruéis, mentirosos e gananciosos, defendidos por um péssimo e covarde bispo. Apesar da beleza do filme, da construção dos personagens e das batalhas épicas, “Cruzadas” não é um filme historicamente defensável. Mas ainda deve ser visto porque retrata o heroísmo de um homem comum, movido pela compaixão e pela vontade de defender o povo, a honra e lealdade masculina.

5. Trilogia Batman (2005-2012)

Dirigido por Christopher Nolan e interpretado por Christian Bale, a trilogia que começa em Batman Begins conta a história de um jovem bilionário (Bruce Wayne) que fica órfão após presenciar o assassinato dos pais. Apesar da notória riqueza e dos excessos cometidos pelo personagem, toda a trajetória de Batman passa pelo seu trabalho moral e espiritual de combater a criminalidade que assola “Gotham City”, ou precisamente, Nova Iorque – e como suas escolhas foram altamente prejudiciais para sua vida amorosa e profissional. Wayne conseguiu a proeza de perder mais da metade da fortuna e correr o risco de ser despejado de sua mansão após o investimento de bilhões de dólares em energia limpa e renovável, que viria a se tornar uma arma nuclear nas mãos da famigerada Liga das Sombras, uma organização revolucionária que pretende “libertar e purificar a humanidade”, através de atentados. Qualquer semelhança com ideologias do século XX, como o nazismo e o comunismo são meras coincidências…

6. Trilogias O Senhor dos Anéis (2001-03) e O Hobbit (2012-14)

Ambas as trilogias fazem parte do fantástico mundo de J. R. R. Tolkien, um fervoroso católico britânico. É difícil de se resumir o épico tolkiano, mas as obras retratam com maestria o pensamento conservador. O amor aos parentes, a paixão pelas belezas da natureza, a coragem dos pequeninos hobbits – uma defesa arraigada dos hábitos e das tradições, o amor ao “país”, a certeza de que o mal deve ser combatido à todo custo. A maior das contribuições a obra partiu da Bíblia (vale dizer isto para os desavisados e que não se atentam a detalhes) – a sedução das “raças” pelo poder figurado em anéis de poder, conferidos por Sauron, o Senhor do Escuro. Os personagens são mais comuns a fé cristã do que se imagina – a maior das rainhas do povo “Elfo”, uma linda e resplandecente senhora, de notória sabedoria, é uma representação da Virgem Maria. O maior dos personagens, o Mago Branco, é uma representação do papa – e a raça humana que se situa meio que à deriva, com as nações definhando pela avareza e pelos pecados da carne, o convite de seres comuns para a redenção.

7. Forrest Gump: O Contador de Histórias (1994)

Forrest Gump é um filme cómico, mas uma obra-prima. Estrelado por Tom Hanks, Forrest é um jovem norte-americano com Q.I bem reduzido, mas que tem muito a ensinar. Além de ser um cristão que sempre age moralmente certo, é um homem bravo, combatente na Guera do Vietnã e que sempre seguiu seu coração – quer para onde ele os levasse. Apesar de ter sido construído como uma crítica – ainda que válida – ao americanismo, Forrest Gump nos premia com bons ensinos conservadores.

8. Sinais (2002)

É o meu filme favorito – e estrelado por Mel Gibson. “Sinais” pode falar sobre tudo – menos sobre invasões alienígenas. Ele conta a história de Graham Hess, um viúvo e ex-sacerdote anglicano que perde a fé após a morte da esposa em um acidente de carro. Mas o filme perpassa num cenário quase que apocalíptico, sem embora dar atenção ao que acontece no mundo. É um conflito acima de tudo moral e espiritual entre Graham Hess e ele mesmo – e o quanto a perda de sentido foi prejudicial para sua vida. É um filme conservador do início ao final.

9. O Patriota (2000)

Se fosse possível resumir “O Patriota”, o faria com duas palavras: dever patriótico. Dessa vez Mel Gibson encarna a figura de Benjamin Martin, herói de guerra no processo de independência dos Estados Unidos frente a Inglaterra do século XVIII. Entrar na guerra nunca lhe passou pela cabeça. Mas Benjamin Martin entendeu que as vezes a guerra é necessária, para defender aqueles em que amamos.

10. Gran Torino (2008)

Dirigido e interpretado por Clint Eastwood no papel do Sr. Kowalski, é um veterano da guerra da Coreia de hábitos arraigados. Seu relacionamento com asiáticos, a contragosto, o faz repensar sobre seus próprios valores.

Já assistiram todos os filmes da nossa primeira parte?

Vejam a nossa segunda parte.

The following two tabs change content below.
Advogado. Bacharel em Direito pela Universidade Católica de Pernambuco. Historiador formado na Universidade Federal de Pernambuco. Catequista da Santa Igreja. Presidente e editor-chefe do Portal Conservador. https://www.instagram.com/dr.joaocavalcanti/

Comentários

16 Comentários

  1. Paulo Noronha disse:

    Falando de séries há o Person of Interest, criada pelo irmão do Chris Nolan, o Johnattan Nolan. Há menção direta a Alexis de Tocqueville, Edmund Burke, e os conflitos são todos de origem liberal clássica/conservadora, levando abordagens de termas pós-modernos sob olhar dessas visões mais a direita. Outra obra que sugiro é o filme Stuck in Love (https://en.wikipedia.org/wiki/Stuck_in_Love) que é um romance familiar que mostra algumas concepções pós-modernas caras a esquerda na prática e como elas são perniciosas para o núcleo familiar. No fim, há uma celebração do comprometimento familiar, e o filma consegue ser conservador sem ser piegas.

  2. Miguel Alfonso disse:

    Ótima lista. Só um detalhe; Se não me engano, a trilogia Batman do Nolan foi filmada em Chicago, e não em Nova Iorque.

    • William disse:

      Olá amigo, o autor quis dizer que Gotan é uma cópia de NY, observando o filme fica claro as semelhanças por conta das pontes e da proximidade com o mar, ainda que tenha sido filado em Chicago. Abraço.

  3. Raphael Tonussi disse:

    Como eu conheço mais filme se ação:

    Filmes
    Busca implacável, desejo de matar, Dirty Harry, Robocop (original), invasão dos estados unidos, bradock, Rambo, comando delta, tropa de elite 1, o resgate do soldado Ryan, até o último homem, o sol é para todos, …

    Séries
    MacGyver, atirador, 24 horas, Bonanza, …

  4. Silvia Mary disse:

    Orgulho e Preconceito, Cinderela para Sempre, O Presente, Você Acredita ?, Hardball, A Proposta, Invictus.

  5. Diego Borges disse:

    Acho Cruzada um filme bem revisionista, não acho que seja uma boa opção de filme conservador. Colocaria na lista a série de filmes do Rocky, por retratar valores como trabalho duro e perseverança (com destaque para Rocky Balboa e o emocionante discurso do Stallone).

  6. Ótima lista.

  7. Margarida disse:

    Sugiro: “A festa de Babette”, ” O Santo bebedor”, “Tangerinas”, “A árvore dos Tamancos”, ” Duns Scotto”, “33”.

  8. Sebastião disse:

    Carol, o homem que se tornou papa.

  9. Adriana disse:

    Eu recomendaria Amadeus! É um filme com um história fictícia, porém fantástica sobre os maestros Amadeus Mozart e Antônio Salieri.
    Salieri é um compositor a serviço da imperador e que desde pequeno sempre sonhou em criar grandes composições, e por tanto, sempre se dedicou a ser um homem correto diante dos olhos de Deus para que em troca, Deus o abençoasse com dons musicais. Porem quando ele conhece Amadeus Mozart, percebe que os dons que ele sempre tanto pediu a Deus foram dados a um garoto maluco, vulgar e espalhafatoso. Isso faz com que ele se torne um anti cristo e começa a enfrentar Deus planejando uma vingança, nem q nisso seja necessario matar Mozart.

    É um filme incrivel q nos faz refletir que Deus não é um ser ilimitado, e escolhe qm ele quiser para ser usado em grandes obras, ate aqueles q são desajustados e ignorados pela maioria por n se encaixarem num perfil de “perfeição e santidade”. Aqui, Deus escolhe um louco para confundir os sábios.

    Bastante edificante e ganhador de 8 Oscars, incluindo Melhor filme. (1984)

  10. Lucas Moura disse:

    Queria sugerir o filme “Um Sonho Possível” com Sandra Bullock.

  11. Fabio Ribas disse:

    Um filme que é muito bom também é Desafiando Gigantes. Filme excelente!

  12. FERNANDA disse:

    duas séries imperdíveis são OUTLANDER e Downton abbey!

  13. V. A. Custodio disse:

    A Paixão e a Trilogia de Tolkien já dizem tudo! Obras primas (apesar, com relação à Trilogia de O Senhor dos Anéis ter a influência direta do seu diretor e, assim, ter algumas visões particulares dos personagens e da obra… mas cinema é cinema). Cruzadas é um lixo de filme, mesmo o capricho da produção não impedem qualquer um, com um mínimo de conhecimento de história e do assunto, de desistir do filme nos primeiros 10 min.

  14. V. A. Custodio disse:

    Sei que posso ser contestado, mas Game of Thrones merece um lugar na lista, apesar de não ser uma série!

Escreva um comentário




*


%d blogueiros gostam disto: