Mitos sobre o Concílio de Niceia

Dan Brown declara:

1. Jesus foi considerado somente um homem mortal antes do Concílio de Niceia em 325 d. C.

2. Constantino e o Vaticano inventaram a doutrina que Jesus é Deus por motivos políticos.

3. A deidade de Jesus foi determinada por voto.

4. Constantino decidiu o conteúdo do Novo Testamento, omitindo muitos “evangelhos”.

 

Mito # 1: O Concílio de Niceia inventou a divindade de Jesus, em 325 d.C.

 

O que o Concílio não fez

O Concílio de Niceia não inventou a divindade de Jesus. Bem antes do Concílio de Niceia, os cristãos já acreditavam que Jesus era Deus com base em uma série de passagens do Novo Testamento (João 5,18; 14,9; 20,28; Heb. 1,8; Apocalipse 5,9). De fato, Jesus era aceito como Deus pelos primeiros cristãos:

 

Paulo

“No entanto, para nós há um um Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem nós vivemos; e um Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós existimos por meio dele.” 1 Coríntios 8,6

Comentários: Paulo adapta a declaração de fé judaica conhecida como Shema, que diz: “Ouve, ó Israel, o Senhor é nosso Deus, o Senhor é um! “E incluiu Jesus nesta declaração de fé em 1 Cor. 8,6 acima. Em outras palavras, ele cristianiza a Shema.

″Tende em vós o que houve também em Cristo Jesus, o qual, subsistindo em forma de Deus, não considerou igualdade com Deus uma coisa que deve ser aproveitada, mas esvaziou-se a Si mesmo, tomando a forma de um servo, tornando-se em semelhança de homens. Achado na forma de homem, humilhou-se, tornando-se obediente até à morte, e morte de cruz. Por esta razão, também, Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, dos que estão no céu, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai”. Filipenses 2,5-11

Comentários: Jesus era igual a Deus. Esta passagem em Filipenses 2,5-11 contém um hino cristão primitivo que data provavelmente em algum momento entre 40-60 AD. No versículo 10, Paulo utiliza uma passagem de Isaías 45,23 que é aplicada exclusivamente a Deus ou o Senhor e a aplica a Jesus. Em outras palavras, Jesus é o Senhor.

“À Igreja de Deus que está em Corinto, aos que foram santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso”. 1 Coríntios 1,2

Comentários: Uma das características que definem a comunidade de Corinto a quem Paulo estava escrevendo era que oravam a Jesus.

“Se alguém não ama o Senhor, deve ser amaldiçoado. Maranatha.” 1 Coríntios 16,22

Comentários: Maranatha é uma declaração na língua aramaica, que significa “O Senhor Vem!” Era uma expressão que os primeiros cristãos costumavam (1) falar com Jesus pedindo-lhe para voltar em breve e (2) para lembrar um ao outro sobre o retorno de Jesus. Paulo escreveu 1 Coríntios em grego e deixou este aramaico “Maranatha” não traduzido. Isso provavelmente indica que esta palavra aramaica veio dos falantes de aramaico mais antigos da Igreja em Jerusalém. A expressão poderia datar desde 33 ou no máximo de 51 AD.. Independentemente disso, mostra que os primeiros cristãos já estavam orando a Jesus e invocavam-no a voltar. Isso é algo que alguém faria somente a Deus.

 

Evangelhos

Jesus recebe adoração (Mateus 2,2, 11; 14,33; 28,9; João 9,.35-38; Hb. 1,6)
Jesus perdoa pecados (Mc. 2,5-11; Lucas 5,20)
Jesus é chamado de Deus.

“Respondeu Tomé e disse-lhe: Meu Senhor e meu Deus! Jesus disse-lhe: Porque me viste, creste? Bem-aventurados os que não viram e creram”. João 20,28-29
“Por esta razão, portanto, os judeus procuravam ainda mais matá-lo, porque não só violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus.” João 5,18
“Jesus disse-lhe:” Estou há tanto tempo convosco, e ainda assim você não têm vindo a conhecer-me, Filipe? Quem me vê a mim, vê o Pai; como você pode dizer: ‘Mostra-nos o Pai’?” João 14,9

 

Outras cartas

Jesus é chamado de Deus.

“Mas do Filho Ele diz: “Teu trono, ó Deus, É para sempre e sempre, e o cetro justo é o cetro do seu reino.” Hebreus 1,8

Comentários: A passagem diz claramente “do Filho”, “teu trono, ó Deus.” Jesus é chamado de Deus.

Hinos são cantados para Jesus.

“e entoavam novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação”. Apocalipse 5,9

Comentários: Para judeus do primeiro século a cantar hinos de adoração a Jesus, que é o Cordeiro sentado no trono, não é algo que fariam para ninguém, exceto Deus.

 

O que o Concílio fez

concilio-de-niceia

O Concílio de Niceia esclareceu algumas questões que foram enfrentadas pela comunidade cristã. A razão pela qual não havia um credo mais formal e detalhado sobre a divindade de Jesus, como o Concílio de Niceia, que ocorreu mais cedo foi que (1) o cristianismo era uma religião perseguida por tanto tempo que era difícil para ele estudar e articular doutrinas nas quais já se acreditavam.

Os cristãos já admitiam certas crenças fundamentais, incluindo a divindade de Jesus, mas não foi até que eles foram desafiados pelo arianismo (a crença mantida em nossa época pelas testemunhas de Jeová e cristadelfianos, que ensinam que Jesus é apenas um homem justo que foi criado por Deus) que os obrigou a esclarecer e articular a sua posição. (2) Em 313 d.C. Constantino promulgou o Edito de Milão, que permitiu que o cristianismo fosse uma religião tolerada. Isso permitiu a prática aberta do cristianismo – incluindo o estudo e debate sobre as crenças cristãs corretas. Isto resultou em conflito com o arianismo, que sustentava que Jesus era só um homem justo, que foi criado por Deus.

 

Mito # 2: O Concílio de Niceia decidiu sobre o número de livros que deveriam estar no Novo Testamento (totalizando 27).

Resposta: O Concílio de Niceia não lidou com questões de canonicidade, ou a respeito de quais livros devem fazer parte do Novo Testamento.1 Em vez disso, o Concílio tratou de assuntos relacionados com a cristologia ou como se deve compreender quem é Jesus. Niceia especificamente lidou com a controvérsia ariana sobre se Jesus era eternamente Deus ou era um ser criado.

 

Mito # 3: O Concílio de Niceia foi o primeiro credo cristão.

Resposta: Surpreendentemente para alguns, o Concílio de Niceia não foi o primeiro credo cristão. Há realmente credos cristãos primitivos encontrados no Novo Testamento. Talvez os primeiros credos cristãos são encontrados em 1 Coríntios 15,3 b-7 que registra a morte, sepultamento, ressurreição e aparições de Jesus. A maioria dos estudiosos datam esse credo para algum momento entre 32 a 37 AD. Além disso, 1 Corinthians 8,6 contém uma versão cristã da deuteronômio 6,4 que é a oração judaica do Shema ou declaração de fé judaica. Da mesma forma, há uma série de outras declarações de credo no Novo Testamento (Rom. 1,4; 4,25; 1 Tm. 3,16; 1 Ped. 3,18-22; etc). Curiosamente, estes credos se concentram sobre a questão da filiação ou divindade, morte e ressurreição de Jesus. Notavelmente, estas são exatamente algumas das questões-chave que o Credo Niceno tratou!

 

Uma amostra de primeiros credos cristãos:

“e foi designado Filho de Deus com poder, segundo o espírito de santidade pela ressurreição dos mortos, a saber, Jesus Cristo, nosso Senhor”. Romanos 1,4
“Aquele que foi entregue por causa das nossas transgressões, e ressuscitou por causa da nossa justificação”. Romanos 4,25

“Pela confissão comum, grande é o mistério da piedade: Aquele que foi revelado em carne, foi justificado no Espírito, visto pelos anjos, proclamado entre as nações, crido no mundo, recebido na glória.” 1 Tm. 3,16

Comentários: Esta passagem fala de Jesus, que foi “revelado na carne.” Isto indica que Jesus pré-existia e se fez carne. Jesus não era apenas um mero homem que foi adotado por Deus porque era justo. Ele pré-existia no céu como o Filho de Deus.

A norma dos 27 livros do Novo Testamento não apareceu até 367 d.C. pelo bispo Atanásio. No entanto, um certo número de livros já foram considerados imperativa bem antes. Veja: http://carm.org/myths-about-lost-books-of-new-testament.

 

Fonte original. Traduzido por Emerson Oliveira. Logos Apologética.