Introdução as Cruzadas

Durante a Idade Média houve um esforço concentrado para resgatar a Terra Santa do domínio muçulmano. Isto foi realizado através da organização de 7 Cruzadas diferentes entre 1096-1270. Os resultados das Cruzadas foram variados. Algumas conseguiram vitórias consideráveis, enquanto outras tiveram sucesso apenas o mínimo militarmente. No entanto, houve outras vantagens que foram obtidas, em particular, a unificação dos cristãos de diferentes países sob uma bandeira comum com um objetivo comum e sagrado, a defesa da Igreja no Ocidente a partir de uma conquista muçulmana ameaçada. As Cruzadas forjaram o intercâmbio cultural e econômico entre o Oriente e o Ocidente e também deram origem a ordens de cavalaria.

Na época das Cruzadas, o cristianismo tinha inteiramente revertido a sua atitude para forçar a fé aos outros.
Não é verdade. No Antigo Testamento, Deus ordenou muitas guerras. Jesus é o mesmo Deus, e em nenhum momento jamais condenou soldados por serem soldados. Ele ensinou a não-violência, mas não em todos os casos. Em João 18,23, depois de ser atingido, ele repreende Seus captores, em vez de dar a outra face. Sua Igreja nunca ensinou o pacifismo absoluto.

Os cruzados eram os agressores.
Ao considerar a história do longo conflito entre o Islã e o cristianismo, tanto na parte da frente oriental do império Bizantino e na frente ocidental em Espanha, não só durante todos os 450 anos desde o início das grandes conquistas muçulmanas, mas especialmente durante os anos imediatamente anteriores à primeira cruzada, deve ser aparente que toda a agressão tinha sido muçulmana. Os pontos a seguir oferecem um vislumbre da agressão islâmica antes das Cruzadas:

  •  O califa Omar levou as grandes conquistas árabes, entre os anos 634-644. Está registrado que ele disse: “Cabe a nós devorarmos os cristãos e os nossos filhos devorar seus descendentes, desde que qualquer deles permanecem na terra”. Quando Omar conquistou Jerusalém em 638, a cidade tinha sido cristã por mais de 300 anos. Mais tarde, foi a vez da Espanha, Sicília, Grécia e o que hoje é a Turquia, onde as comunidades fundadas pelo próprio São Paulo se transformaram em ruínas.
  • De 686-689 houve uma série de decretos no Egito ordenando que cada cruz visível fosse publicamente destruída, e cada igreja cristã carregasse em sua porta um slogan anticristão.
  • A ordem muçulmana tradicional em cima de cada soberano recém-encontrado ao longo dos anos da expansão islâmica foi: “aceite o Islã, ou se prepare para a guerra”.
  • Em 838 o califa al-Mu’tasim matou 30.000 homens da cidade de Amorion na Ásia Menor; ele vendeu o mesmo número de homens, mulheres e crianças como escravos.
  • Em 846 soldados muçulmanos vieram sobre Roma e saquearam a Basílica de São Pedro.
  • Nos anos 850, na Espanha, foram martirizados um número de cristãos de Córdoba por declararem que Maomé não era um profeta verdadeiro. Eles se recusaram a submeter-se a proibição da adoração cristã pública e um status de segunda classe executado em sua própria terra.
  • Em 1071 os turcos muçulmanos praticamente aniquilaram o exército cristão bizantino em Manzikert. Foi essa derrota que levou o imperador bizantino a apelar ao Papa para ajuda contra a ameaça islâmica, provocando, assim, as Cruzadas.
  • Nenhum historiador profissional ou competente questiona o fato de que os peregrinos cristãos em seu caminho para a Terra Santa tiveram muita dificuldade por causa dos saqueadores turcos. Nos anos que antecederam a Primeira Cruzada, os peregrinos cristãos foram roubados e às vezes mortos.

Introducao-as-Cruzadas-Portal-Conservador

As Cruzadas foram uma guerra justa. Elas foram uma reação militar justificável a mais de 450 anos de agressão islâmica. As nações cristãs da Europa não foram definitivamente as agressoras. Como visto acima, os muçulmanos tinham sido agressores contra os cristãos desde o século VII. Os cristãos da Europa foram claramente justificados para se defenderem dos ataques muçulmanos e também irem para a ofensiva, a fim de evitar ataques futuros. As Cruzadas foram ​​guerras travadas moralmente justificáveis em legítima defesa para recapturar o que foi perdido para um agressor injusto cujas ações ao longo dos 450 anos anteriores tinham demonstrado a intenção de conquistar toda a cristandade. Em nenhum momento durante toda a Cruzada os cruzados conquistaram a pátria muçulmana, Arábia, mas apenas os territórios originalmente cristãos que os muçulmanos tinham conquistado. Foi inteiramente apropriado que os cristãos defendessem e os inocentes e indefesos contra ataques, o que é exatamente o que os cruzados estavam fazendo. Os cristãos tinham todo o direito de governar as terras conquistadas onde Cristo tinha andado e para protegê-las da profanação. Apesar de suas falhas, as Cruzadas revelaram o grande espírito de fé prevalecente na Idade Média.

As Cruzadas foram responsáveis ​​por muitas atrocidades e a Igreja os aprovou.
Certamente houve abusos durante as Cruzadas, notadamente:

  • O saque de Jerusalém, que foi condenado pelos líderes das Cruzadas: Raymond de Toulouse e Godofredo de Bouillon, foi uma ação incomum na guerra de cerco.
  • O saque de Constantinopla, que foi condenado pelo líder cruzado Simon de Montfort, e pelo papa da época, Inocêncio III, que disse sobre o incidente: “Não admira que os gregos chamam-lhe cães”. Ele excomungou os responsáveis ​​pelo atentado.
  • Os pogroms contra os judeus, que eram uma violação direta de um decreto papal proteger os judeus, foram condenados pela Igreja.
  • A Cruzada das Crianças e Cruzada do Povo foram Cruzadas populares não oficiais que custaram muitas vidas e, de forma alguma, foram aprovadas oficialmente pela Igreja.

Os excessos e violência cometidos no curso das Cruzadas deve ser avaliado no contexto doloroso, mas usual de eventos militares. Como qualquer outra atividade humana, as Cruzadas tiveram a sua quota de santos e pecadores.

As Cruzadas foram guerras religiosas nas quais a Igreja concedeu indulgências para o mal.
As cruzadas nunca foram guerras religiosas, o seu propósito não era forçar conversões ou suprimir os muçulmanos. A Cruzada foi uma peregrinação armada que desempenhou um papel fundamental na vida da Igreja da Idade Média, mesmo que às vezes fosse realizada ou desviada de sua finalidade sagrada pelos cruzados individuais para fins comerciais, políticos ou pessoais. A Cruzada foi considerado um ato sagrado para o qual devem ser dada indulgências. Mas elas não garantem qualquer céu. Cada cruzado ainda estava sujeito à lei e à disciplina da Igreja. O papa que convocou a 1a. Cruzada, Urbano II, prometeu indulgências apenas aos cruzados que realizaram a Cruzada para a devoção (Enciclopédia Católica, 1917). Foi, de fato, os muçulmanos que prometeram o céu incondicional e imediato para quem morresse na guerra.

Referências:
Carroll, W. ewtn.com Q+A, 11/27/2001 Lovasik, L. Church History, 1990, Pps. 96 — 99 and McBrien, R. Encyclopedia of Catholicism, p. 384 Carroll, W. The Building of Christendom. 1987 P. 529 Carroll, A. Christ the King. Lord of History. 1976 P. 135 Zenit News Agency. AD2000, December 1999 – January 2000 Carroll, W. op. cit. P. 264 Ibid. P. 343 Ibid. op. cit. P. 345 Ibid. op. cit. P. 346 Ibid. op. cit. P. 164
  • Donner, Fred, The Early Islamic Conquests, Princeton University Press, 1981.
  • Guillaume, A., The Life of Muhammad, Oxford University Press, 1955.
  • Hourani, Albert, A History of the Arab Peoples, Faber and Faber, 1991.
  • Madelung, Wilferd, The Succession to Muhammad, Cambridge University Press, 1997.
  • “G.LeviDellaVida and M.Bonner “Umar” in Encyclopedia of Islam CD-ROM Edition v. 1.0, Koninklijke Brill NV, Leiden, The Netherlands 1999″
  • Previte-Orton, C. W (1971). The Shorter Cambridge Medieval History. Cambridge: Cambridge University Press.
  • How Many Companions Do You Know? By Ali Al-Halawani

Fonte: http://whynotcatholicism.net/view/the-crusades. Tradução de Emerson de Oliveira. Logos Apologética.