A ignorância da “resistência”

Toda a notícia divulgada pela mídia traz em seu material algum tipo de informação capaz de causar os mais variados sentimentos de quem a lê. É só prestarmos atenção, por exemplo, na estratégia dos esquerdistas ao querer desarticular o movimento de direita no Brasil. Eles, desde meados de 2012, tentaram atribuir uma falsa imagem ao candidato hoje eleito à presidência da república, Jair Messias Bolsonaro, que na época era o principal porta-voz no Congresso Nacional em defesa da moral e bons costumes, o qual teve por resposta os adjetivos pejorativos de ditador, homofóbico, racista, machista, fascista etc., pois queriam formar com isso (e conseguiram) uma consciência aterrorizante na cabeça de gente que é “Maria vai com as outras”, a ideia de que quem o apoia é também opressor das minorias e de modo algum se pode aceitar um governante com o perfil dele; porque do contrário estaríamos diante de um governo que impossibilitaria o exercício democrático.

Basicamente a mídia inteira, ressalvada as raríssimas exceções, se comprometeu a este papel: através da desinformação puderam criar uma lenda política de que se o Bolsonaro atingisse o poder muitas pessoas seriam mortas, dentre elas gays, lésbicas, feministas e negros, sem dizer que o mesmo acabaria com os direitos trabalhistas e a própria mídia seria amordaçada. Ou seja, seria a instauração de uma ditadura de direita. E, para endossar essa fantasiosa ideia, o fato do capitão ter apoiado abertamente o regime militar de 64, não demorou, para tanto, que os jornalistas fizessem o seu joguinho sujo de demonizá-lo, já que as escolas e universidades se propuseram a distorcer toda a história dessa época justamente para não ter de enfrentar outra resistência militar, a qual foi convocada pela população e resultou em uma medida extremamente necessária na defesa do país contra a ameaça comunista.

imagem

Porém, isso não é de se espantar, tendo em vista que essa gente ardilosa sempre teve na sua política a monopolização dos meios de comunicação desde a união soviética, por entenderem que a tomada do poder é muito mais fácil quando a mentira é noticiada como verdade. É aquela célebre frase do Joseph Goebbels, ministro da propaganda nazista, que diz: “uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”.

Nesse sentido, o repetir se refere ao compartilhamento em massa da mentira, de modo que, da feita que atingiu a consciência de um único sujeito, e este imediatamente repassou com o sentimento de medo e espanto que a mesma intencionalmente lhe causou, a outra pessoa é contagiada por isso como se fosse uma espécie de persuasão hipnótica, a qual pega pela ignorância, devido desconhecerem ou não acreditarem nas evidências apresentadas que o outro lado diz, graças a influência acadêmica e midiática da ideologia marxista no país.

Evidentemente que levaram bem a sério essa estratégia, chegando a inverter até mesmo a imagem do Haddad, que apoia os governos que mais cercearam as liberdades e mataram seus opositores, à imagem de um homem amigo do povo, defensor dos direitos e a favor de um regime altamente democrático; e, em contrapartida, transformaram a imagem do Bolsonaro, que defende os direitos e garantias individuais e é a favor do livre comércio, à imagem de um homem nazista, cheio de ódio e que irá fuzilar todos contrários ao seu governo.

O sujeito, portanto, é desinformado por pensar ser a mentira a verdade e a verdade a mentira. E ele mesmo quando tem diploma acadêmico ou está cursando o nível superior, julga com ares de superioridade intelectual os apoiadores do Bolsonaro, chamando-os de alienados, desinformados, ignorantes, desconhecedores da história e por aí vai, exatamente porque essa foi a “verdade” que lhes empurraram goela abaixo.

E, agora, depois de vencidos democraticamente, estão protestando nas redes sociais, por meio de um movimento que eles chamam de resistência. Mas, essa resistência no Brasil é protestar contra um governo que sequer começou, e já lhes garante, por exemplo, a livre iniciativa de pagarem mico e de consequentemente serem feitos de idiotas. Desse modo, ficam de tolice atrás da tela de um computador atribuindo ao novo e ainda não vigente governo “malvado” truculências imaginárias, produzidas por uma síndrome de perseguição cuja causa é a própria desinformação.

Escrito por Sávio Vilar. Publicado no blog The Writer Conservative.

Comentários

0 Comentário

Escreva um comentário




*