Para que serve a História?

A história não é somente o adequado registro do passado. Não é, unicamente, a atividade de narrar, metodicamente, os fatos que se sucedem em uma dada sociedade nem, tampouco, a busca minuciosa nos textos daqueles fatos que se pretendem extrair. É claro que a história, como disciplina, exige esse caráter objetivo na leitura de diversos textos; contudo, o Historiador, em uma sociedade, deve desempenhar também outra função. Se não a desempenha, aliás, poderia ser facilmente confundido com um jornalista, no que concerne a narrar os acontecimentos.

Não há quaisquer dúvidas, afinal, de que o jornalista está inegavelmente ligado aos acontecimentos: o acontecimento se confunde com o jornalista, ele se vê realizado mediante esta atividade. Enquanto que no retorno ao passado, o jornalista pouco tem a informar: é nesta atividade que o historiador se vê realizado. Mas esse retorno ao passado, para muito além da objetividade, vai exigir uma análise crítica pelo qual o historiador enquadra os sistemas sociais e políticos como positivos ou negativos, obedecendo, como deve ser por nós sabido, determinados padrões. Tarefa que não pode, em qualquer momento, ser exercida por um jornalista. As metodologias e os objetivos se diferem.

Nesse sentido, por mais  que o historiador esteja atento aos fatos históricos, ele deve estar mais ainda atento às pressões do presente; tal como o jornalista o faz, apropriadamente. Não é por outra razão pelas quais os grandes jornalistas conseguem produzir uma história do presente mais competente do que a do historiador, tão absorto no passado. Portanto, cabe ao historiador, aprender, nesse sentido, com um exímio jornalista para analisar o presente.

A História, para além do seu conceito – presente nos mais variados dicionários – atua como um tribunal da realidade. É o parâmetro mais justo que já existiu ou existirá, para o estudo das sociedades do passado e para contribuir nas construções prudentes do futuro. Nesse sentido, o historiador, como verdadeiro cientista do social, deve ser sempre o último a ligar-se a utopismos de toda ordem – lembrando, com muita cautela aos seu conterrâneos, os diversos erros que selaram as sociedades do passado.

The following two tabs change content below.
Advogado. Bacharel em Direito pela Universidade Católica de Pernambuco. Historiador concluinte na Universidade Federal de Pernambuco. Catequista da Santa Igreja. Filho de Pernambuco. Presidente da ONG CEAP - Centro Educativo e de Apoio Profissionalizante às Famílias Carentes com sede em Paudalho/PE. (https://ongceap.com.br). Presidente e editor-chefe do Portal Conservador. https://www.instagram.com/dr.joaocavalcanti/ https://www.facebook.com/dr.joaocavalcanti

Comentários

0 Comentário

Escreva um comentário




*